MANEJO E ASSISTÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO COM DOENÇA DA MEMBRANA HIALINA

  • Stela Cesati Centro Universitário do Espirito Santo - UNESC
  • Vanilda Gomes Gimenez Centro Universitário do Espírito Santo - UNESC

Resumo

A Síndrome da Angústia Respiratória (SAR), também conhecida como Doença da Membrana Hialina (DMH), é uma síndrome que acomete recém-nascidos (RNs) prematuros na idade gestacional entre 28 a 32 semanas, esta síndrome é caracterizada por insuficiência respiratória progressiva, decorrente da deficiência do surfactante, sendo uma das patologias mais comuns na população neonatal pré-termo. Este trabalho teve como objetivo identificar a qualidade da assistência e o manejo da equipe de enfermagem ao recém-nascido prematuro com DMH. O presente estudo é de caráter descritivo, com abordagem qualitativa, onde no primeiro momento revisou-se os prontuários arquivados no hospital escola no município de Colatina referentes aos recém-nascidos que tiveram como diagnóstico médico a DMH, compreendendo o período do ano de 2016 a 2019; no segundo momento houve a aplicação de um questionário semiestruturado que contou com 40 profissionais de enfermagem atuantes na UTI Neonatal, sendo 29 técnicos de enfermagem e 11 enfermeiros tendo o Certificado de Apresentação para Apreciação Ética (CAAE) 33296820.9.0000.5062. Com os resultados obtidos dos prontuários, pode-se observar que a DMH é uma doença grave que leva a alta taxa de mortalidade neonatal, pois de 211 casos, 118 vieram a óbito representando mais que a metade (56%). No que se refere aos dados obtidos por meio do questionário, detectou-se a necessidade de investir em treinamentos específicos e educação continuada com a equipe de enfermagem para que se possa constantemente melhorar o cuidado com os RNs afetados, visto que 35% erraram a gestacional que o RN pode apresentar o quadro de DMH, apenas 20% dos entrevistados responderam o principal tratamento (surfactante), 60% responderam que há dificuldade na assistência ao RN com DMH, 45% não tem/desconhece/não respondeu se há de protocolos de manejo e assistência na unidade neonatal, 52,5% respondeu que não é/desconhece/ás vezes/não respondeu se é realizado educação continuada. Portanto os esforços empreendidos quanto aos cuidados a essa população devem ser constantes, ressaltando o aprimoramento e capacitações recorrentes, podendo dessa forma obter resultados efetivos e refletindo uma assistência de qualidade e segura.

Biografia do Autor

Stela Cesati, Centro Universitário do Espirito Santo - UNESC
Graduada em Enfermagem pelo Centro Universitário do Espírito Santo -  UNESC.
Vanilda Gomes Gimenez, Centro Universitário do Espírito Santo - UNESC
Mestre em Terapia Intensiva pelo Instituto Brasileiro de Terapia Intensiva (2011), Especialização em EnfermagemNeonatológica, Especialização em Condutas de Enfermagem no Paciente Crítico e Graduada em Enfermagem pelo UNESC - Centro Universitário do Espírito Santo (2005). Supervisora da Clínica Interdisciplinar no Tratamento de Feridas. Atualmente é docente do UNESC - Centro Universitário do Espírito Santo.
Publicado
2021-09-09
Como Citar
Cesati, S., & Gimenez, V. (2021). MANEJO E ASSISTÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO COM DOENÇA DA MEMBRANA HIALINA. Unesc Em Revista, 5(1), 25-42. Recuperado de http://revista.unesc.br/ojs/index.php/revistaunesc/article/view/302
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##